Fale com a Ouvidoria
Portal do Beneficiário | Ainda não sou cadastrado!  


Central de Teleatendimento (2ª a 6ª feira - 7:30h às 19:30h) - Tel.: (21) 2126-7000

CAC - Caixa de Assistência dos Servidores da CEDAE


Dicas de Saúde


Compartilhe:


AEDES AEGYPTI, O INIMIGO NÚMERO UM DO VERÃO


O verão chega com força este ano, e de acordo com o serviço de meteorologia, graças ao fenômeno El Ninho, teremos temperaturas acima da média e tempestades. Os dias ensolarados, no entanto, fazem com que um grande inimigo da saúde dos cariocas mereça toda atenção da população e das autoridades de Saúde. Estamos falando do aedes aegypti. 

 

O mosquito, antes famoso por ser o transmissor de todos os tipos de dengue, agora volta às manchetes porque, como uma espécie de empresário inescrupuloso, diversificou sua atuação, investiu na capacidade de contaminar a população e passou a transmitir a febre chikungunya e o zika vírus.  

 

Os sintomas são parecidos, mas as doenças são diferentes. E no caso do zica vírus, existe o agravante de que mulheres grávidas que contraem a doença correm o risco de que tenham filhos com microcefalia. A ligação já foi admitida pelo Ministério da Saúde e está sendo investigada com rigor.

 

Conheça então as diferenças entre estas três doenças:

 

Dengue

Doença: Dentre as três, é a mais conhecida e presente no Brasil. O país vive hoje uma epidemia da doença. E não se pode esquecer que ela pode se apresentar de quatro maneiras diferentes.

Transmissão: O vírus da dengue é transmitido pela picada do mosquito aedes aegypti. 

Sintomas: Febre alta (geralmente dura de 2 a 7 dias), dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele. Nos casos graves, o doente também pode ter sangramentos (nariz, gengivas), dor abdominal, vômitos persistentes, sonolência, irritabilidade, hipotensão e tontura. Em casos extremos, a dengue pode matar.

Tratamento: A pessoa com sintomas da dengue deve procurar atendimento médico. As recomendações são ficar de repouso e ingerir bastante líquido. Não existem remédios contra a dengue. Caso apareçam os sintomas da versão mais grave da doença, é importante procurar um médico novamente.

 

Chikungunya

Doença: Os primeiros casos "nativos" da doença no Brasil apareceram em setembro de 2014 em Oiapoque, no Amapá. Antes disso, já haviam sido detectados casos de pessoas que contraíram a virose fora do país. A origem do nome chikungunya é africana e significa "aqueles que se dobram". É uma referência à postura dos doentes, que andam curvados por sentirem dores fortes nas articulações.

Transmissão: É transmitida pelos mosquitos aedes aegypti (presente em áreas urbanas) e aedes albopictus (presente em áreas rurais).

Sintomas: O principal sintoma é a dor nas articulações de pés e mãos, que é mais intensa do que nos quadros de dengue. Além disso, também são sintomas: febre repentina acima de 39 graus, dor de cabeça, dor nos músculos e manchas vermelhas na pele. Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. Segundo o Ministério da Saúde, as mortes são raras.

Tratamento: Como no caso da dengue, não há tratamento específico. É preciso ficar de repouso e ingerir bastante líquido. Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia.

 

Zika

Doença: A doença pode ter sido detectada na Bahia, mas ainda não está confirmada. A suspeita é de que ela tenha sido trazida para o Brasil durante a Copa do Mundo.

Transmissão: Mais uma vez, o aedes aegypti é o vilão da história. Mas o vírus também é transmitido pelo aedes albopictus e outros tipos de aedes.

Sintomas: O vírus não é tão forte quanto o da dengue ou da chikungunya e os pacientes apresentam um quadro alérgico. Os sintomas, porém, são parecidos com os das doenças "primas": febre, dores e manchas no corpo. Quem é infectado pelo zika também pode apresentar diarreia e sinais de conjuntivite.

Tratamento: Assim como nas outras viroses, o tratamento consiste em repouso, ingestão de líquidos e remédios que aliviem os sintomas e que não contenham AAS. 

Não existe nenhum medicamento para tratar dengue, zika nem chikungunya. O tratamento é basicamente repouso, hidratação e medicação sintomática, que são os analgésicos e antitérmicos.

A quantidade de líquido ideal deve ser orientada pelo médico ou equipe de saúde, assim como qual será o analgésico e antitérmico melhor para cada paciente vai ser definido pelo profissional.

O associado que sentir qualquer sintoma deve ficar atento e procurar uma unidade credenciada da CAC o mais rápido possível.

 

Entenda a microcefalia


A microcefalia é um quadro em que bebês nascem com o cérebro menor do que o esperado (perímetro menor ou igual a 33 cm para bebês a termo) e que compromete o desenvolvimento da criança em 90% dos casos. As causas exatas do surto no Brasil ainda estão sendo investigadas, mas a relação já foi comprovada com o zika vírus. Os casos de microcefalia coincidem com áreas em que o vírus circulou no ano passado.

 

Prevenção

Todo mundo pode colaborar na prevenção, principalmente lutando contra o acúmulo de água e lixo que atraem mosquitos. É hora de também colocar tela na casa e usar mosquiteiro. E abusar do repelente, seguindo as orientações do rótulo. Quem está pensando em engravidar, deve levar essa situação em conta. E quem já espera o bebê deve tomar cuidado com picadas de mosquito, mesmo que já esteja em fase adiantada de gestação.

 

Recomendações para as mulheres grávidas:


• Atualizar as vacinas de acordo com o calendário vacinal do programa nacional de imunização do Ministério da Saúde
• Atenção sobre a natureza e a qualidade daquilo que se ingere (água, alimentos, medicamentos), consome ou se tem contato, principalmente sobre a ação desses produtos no desenvolvimento do bebê.
• Proteger-se das picadas de insetos, evitando horários e lugares com presença de mosquitos e, sempre que possível, utilizar roupas que protejam o corpo. Consultar o médico sobre o uso de repelentes e verificar atentamente no rótulo a concentração do produto e definição da frequência do uso para gestantes. Além disso, telas de proteção, mosquiteiros e ar-condicionado também são medidas de proteção.
• Se houver qualquer alteração no estado de saúde, principalmente no período até o quarto mês de gestação, comunicar aos profissionais de saúde.



Ver mais Dicas de Saúde


http://www.ans.gov.brANS - nº 321869

Sede: Av. Presidente Vargas, nº 463/ 15º andar. Centro, Rio de Janeiro - RJ. CEP: 20071-908. Tel.: (21) 2126-7000. E-mail: cac@cac.org.br
© 1988-2010 CAC - Caixa de Assistência dos Servidores da CEDAE

Patrocinadoras:
Nova CEDAEPRECE - Previdência Complementar